quarta-feira, 13 de janeiro de 2021

Preparado ou Despreparado para as avaliações de desempenho?

Vale refletir.

É normal, nas grandes corporações, que janeiro seja um mês de fechamento ou início dos processos de avaliação de desempenho. 
Para contribuir e atender aos pedidos dos meus seguidores, vou me dedicar a escrever sobre esse tema, nesse mês. Acredito que poderá fazer grande diferença na gestão das pessoas e no clima organizacional. Agradeço e dedico esse post à querida @alinefrb

1. Avaliação de desempenho é um processo formal, com diversos nomes: avaliação de competências, acordo de resultados, contrato de objetivos. Independente do nome, o propósito é que o momento seja uma conversa de desenvolvimento. Infelizmente, às vezes, os Líderes (despreparados) aproveitam a oportunidade para “despejar” em seu colaborador, todos os problemas referentes a comportamento ou desempenho, nos últimos 12 meses. Um “baita” erro! Significa que não houve feedback durante o ano.

2. A diferença entre ter uma conversa de feedback boa ou ruim, está na qualificação da Liderança. Se o Líder é “despreparado”, mesmo que a avaliação seja positiva, o término da conversa poderá ser ruim.

3. Toda vez que um Líder agenda uma conversa com o seu liderado para realizar qualquer etapa da avaliação de desempenho, é possível que existam tensões, fantasias, medos e grandes expectativas, entre ambos. Cumprir a agenda é uma questão de respeito. Muitas vezes, o colaborador nem consegue dormir direito “tentando adivinhar” o conteúdo da conversa e até revisando suas atitudes no ano para antecipar-se com argumentos de defesa sobre o que virá.

4. É comum ter lideranças e colaboradores “despreparados” para uma conversa sobre desempenho. O que torna o momento de feedback um desperdício de oportunidade para elevar a potência nos resultados pessoais, profissionais e organizacionais.

5. O resultado de uma conversa ruim na hora de contratar objetivos, acompanhar desempenho e/ou realizar o fechamento de uma avaliação de desempenho podem ser muito piores para a motivação ou desmotivação dos colaboradores. 
A boa notícia é que mesmo que uma empresa não ofereça um Programa de Desenvolvimento de Líderes com o propósito de preparar suas Lideranças para a realização de conversas difíceis, seja em relação ao desempenho ou ao comportamento, qualquer profissional que ocupa essa função de Líder pode buscar sua qualificação para fazer dessa conversa uma oportunidade de crescimento recíproco: Líder e Liderado. Se liga! Qualifique-se e acompanhe os próximos posts. Se você acredita que esse conteúdo pode ajudar outros líderes, por favor, compartilhe. Um bj no coração.

Como se organizar nas Férias?

É como chegar no último diae pensar: como ficará a área na minha ausência?

É interessante perceber que poucos líderes conseguem deixar um substituto durante as suas

férias.


Qual motivo? Muitos!

1. Falta de confiança que alguém o substituirá com competência;

2. Baixa qualidade e maturidade da equipe para representá-lo em reuniões;

3. Medo de ser substituído por alguém que possa ocupar o seu lugar;

4. Preferência em não colocar ninguém, assim a “cadeira vazia” simboliza a presença

garantida na volta;

5. Equipe sem preparo técnico para responder questões complexas.

Pode ter uma certeza! Essa é a realidade de muitos Líderes Corporativos, até hoje.

Eu já vi e vivi de tudo no mundo corporativo.

Há substitutos que aproveitam que o líder está em férias para “queimá-lo ou boicotá-lo”.

Inclusive já passei por isso, e é muito triste quando a gente confia em alguém que não tem

maturidade emocional e profissional para substitui-lo. Quando há uma decepção com o

liderado que o substituiu, a ação mais rápida é um feedback a respeito da situação e do

comportamento de inadequação. Também é necessário avaliar se é possível resgatar a relação

de confiança entre Líder x Liderado. Se não é possível, não perca tempo. Resolva logo!


De tudo, o mais importante é:

1. Quem o substituirá nas férias?

2. Você confia no seu potencial sucessor?

3. Seu substituto nas férias possui condições de representá-lo em reuniões importantes

com diretores, superintendentes e presidentes?

Se há um NÃO para uma das perguntas acima, você está com um problemão! Portanto,

resolva logo essa demanda com sua equipe.

Bj no coração.

domingo, 10 de janeiro de 2021

Férias – momento tão necessário a todos! Será que sabemos curtir?

Será mesmo que sabemos aproveitar esse período?

Eu amo estar em férias. Nessa época, me sinto mais criativa, com a minha espontaneidade à

disposição de novas experiências e projetos.

Eu amo estar em trabalho. E assim como eu, muitos privilegiados, também.

Privilegiado, porque, hoje em dia, é sorte fazer o que ama.

Parece uma dicotomia: férias x trabalho. Não é!

Férias são férias!

Trabalho é trabalho!

Em cada momento, o “desfrute” é diferente.

No trabalho – meu papel profissional precisa estar presente.

Nas férias – estão presentes meus papéis sociais e privados.

Na teoria é fácil! Na prática um desafio. Nem tudo é lógica.

Eu estou em férias, mas entre um dia e outro, faço atendimentos, planejamento ou crio novos

projetos. E o descanso? Também acontece! E Amo!

Qual o desafio? Saber a medida certa para o descanso e o trabalho. Eu sou aprendiz nesse

desafio!

E você, consegue desligar-se do trabalho quando está em férias?

sábado, 9 de janeiro de 2021

Liderança



Quando é necessária a integração de uma equipe?

SEMPRE!
Pelo menos 3 ou 4 vezes por ano ou sempre que há o atingimento da meta.
Agora com a forte presença digital nas organizações não há mais desculpa para evitar o encontro entre os colaboradores.
Não perca a oportunidade de agradecer à equipe pelos resultados e pelo empenho de cada um, ainda mais nesse ano desafiador que passou.
O reconhecimento é um grande estimulador de resultados.
Quem sabe uma integração para começar o ano motivando sua equipe?
Um bom final de semana para vocês!